quinta-feira, 24 de julho de 2008

II ENCONTRO A DISTÂNCIA - Reflexão do texto Repensando a avaliação - Turma 5

Leia o trecho retirado do texto de César Nunes:
[...] um grupo da Faculdade de Educação de Harvard acredita que o objetivo maior do ensino oferecido por ele deve ser o “Ensino para a Compreensão” (WISKE, 1998).
Para nós, educadores, quais são os objetivos de aprendizagem que temos em nossa disciplina? Será que já refletimos sobre o comportamento do aluno que compreende, total ou parcialmente, ou que não compreende o que estamos vivenciando com ele?
Reflita e socialize suas idéias neste ambiente.

10 comentários:

Gustavo disse...

No texto "Repensano a Avaliação", Nunes inicia destacando que movimentos que visavam contribuir de forma significativa para o desenvolvimento da educação, já atuavam há muito tempo.

Logo em seguida destaca pontos como: O papel das ciências cognitivas no campo do pensamento e aprendizado das pessoas. Também foca que o processo da avaliação deveria ser indissociável de processo de repensar a educação. Pois, eles são complementares, não dá prá pensar em evolução da educação sem que a avaliação siga esse mesmo caminho. E Nunes continua destacando que exames que valorizam aspectos quantitativos, deveriam ser reforçados com mecanismos que evidenciasse os aspectos qualitativos do processo de aprendizagem. Podendo assim ser possível observar o desenvolvimento de competências e habilidades.

Gustavo disse...

Continuando, Nunes, destaca a "Avaliação da capacidade de resolver problemas" por parte do aluno. Um ponto evidenciado na visão do autor é que o educando seja capaz de resolver situações problemas, indo do micro ao macro e vice-versa, pois, só assim, sendo capaz de interpretar o contexto em suas implicações locais como também globais é que se dá a construção do conhecimento significativo.
Para que tal nível de aprendizagem possa ocorrer, o autor destaca uma forte aliada nessa jornada, que é a tecnologia. Pois, ela propicia a utilização, a vivência de problemas conhecidos como "problemas dinâmicos". Que como o próprio nome diz, dinamizam o entendimento e a aprendizagem do educando.

Gustavo disse...

No tópico "Avaliação de posturas e desenvolvimento da metacognição", um ponto chama à atenção. É que o uso de situações-problema permite avaliar posturas de alunos e professores. E que é comum esperar que cursos de formção "transformem" as pessoas. As transformações possíveis, dependem da experiência prévia de cada um , e de sua abertura para essas transformações, do seu empenho, etc. Mesmo assim, por mais favoráveis que sejam as condições, existem transformações que acontecem em prazos curtos e outras que necessitam tempo, que não acontecerão durante o período de um curso.
Diante do exposto, vemos que não basta apenas ser ofericida a oportunidade de aprendizagem. Temos que estarmos abertos a essa aprendizagem, querê-la, buscá-la e vivenciá-la.

Gustavo disse...

Vendo outro o objeto de aprendizagem, desta feita "uma questão de gravidade". Deu prá observar questões bem simples referente a gravidade, como a diferença de massa dependendo do planeta onde você esteja, que podem ser observadas pelo aluno, que de outra maneira ficaria difícel de ser compreendido tal fenômeno. E ainda, vale destacar a praticidade na hora de realizar os cálculos para comprovar e o fenômeno observado.

Onésimo Mota disse...

O testo de Cesar Nunes Repensando a Avaliação destaca a importancia da aprendizagem baseada na avaliação da capacidade de resolução de problemas com uma unica resposta de um só caminho,mas se o aluno não obtiver sucésso terá que procurar novos caminhos.Esses novos instrumentos e formas de avaliação devem ser implementados na educação, para que propocione ao aluno capacidade de desemvolver suas habilidades e formar pensamentos criticos,fazendo com que o aluno melhor vizualize o conteúdo no seu cotidiano.

Edilson Gonzaga disse...

O texto nos leva a refletir sobre a forma de que como devemos cobrar resultados de nossos alunos a partir do conhecimento que passamos para eles. A forma qualitativa deve ser encarada como prioridade preponderante, em nosso dia-a-dia na sala de aula e por isso não deve esquecer que qualquer animal, seja ele racional ou irracional é capaz de produzir situações vivenciadas no cotidiano mas, usar esse conhecimento para resolver situações fáticas é peculiaridade exclusiva dos seres dotados de racionalidade como nos seres humanos e por isso devemos repensar a nossa prática afim de que nosso aluno tem o perfil de interpretador de realidades e capaz de resolver os problemas do cotidiano.

Niedson disse...

No texto de César Nunes sobre Repensando a avaliação ele mostra os métodos que não funcionam,pois muitas vezes leva o educando apenas a decorar muitos textos,mas ele não consegue compreender o que estuda por não relacionar à sua realidade, ele não ver sentido no que estuda para sua vida.Nossos alunos não devem apenas aprender a marcar certo/errado,mas solucionar problemas e verem sentido no que estudam,caso contrário será difícil despertar seu interesse e descobrir suas habilidades.O educador precisa avaliá-lo qualitativamente e não apenas quantitativamente, talvez dessa forma consiga obter melhores resultados no desempenho dos seus alunos.

Joelma disse...

O texto enfatiza que devemos repensar a educação para que as aulas se tornem mais prazerosa para ambas as partes, que a avaliação tenda a buscar o sucesso do aluno em diversos aspectos. Que o professor encontre meios diversificados para que as aulas sejam mais participativas.

Grupo de Física: Gustavo, Quaresma e Meire disse...

No objeto de aprendizagem "Teodolito", observamos que ele tem uma interatividade muito boa, pois, facilita a navegação. Possui também uma contextualização que possibilita fazer relação com outras áreas de conhecimento como a matemática, e, ainda possibilita fazer referências ao cotidiano do aluno. Já na construção conceitual, ela fica limitada, pois depende de conhecimentos prévios de trigonometria por parte do aluno; conhecimentos esses que possuem uma certa complexidade. No tocante a qualidade dos textos e os feedbacks podemos perceber uma boa qualidade nas orientações, porém tais orientações também estão atreladas aos conhecimentos prévios já citadas. O tempo sugerido para o desenvolvimento do OA é satisfatório, como também é adequado a qualidade do design e de fácil navegação.

cristiane de carvalho ferreira lima-Prof de biologia disse...

O texto "Repensando a avaliação" de César Nunes veio nos fazer repensar algo já bastante discutido, o questionamento sobre as práticas educacionais e que o processo educacional precisa passar por mudanças e que precisamos de novo métodos para aplicar na sala de aula.